Método QuantumBIO

Pensadores e Cientistas

Conheça alguns dos principais cientistas e pensadores cujas teorias foram adaptadas pelo Prof. Inamoto para serem utilizadas dentro do Método QuantumBIO.

Sem exceção, todos esses cientistas foram considerados visionários, e suas teorias, em alguns casos, desacreditadas devido a poderosos interesses econômicos. Recentemente, porém, muitas delas tem ganhado força. Veja a seguir um resumo sobre os trabalhos desses cientistas e tire suas próprias conclusões.

Royal Raymond Rife

Uso de terapias eletromagnéticas contra o câncer.

Royal Raymond Rife foi um brilhante cientista que nasceu em 1888 e faleceu em 1971. Depois de estudar na Universidade Johns Hopkins, Rife desenvolveu uma tecnologia que ainda é comumente usada hoje nos campos da óptica, eletrônica, radioquímica, bioquímica, balística e aviação.

É uma afirmação justa dizer que Rife praticamente desenvolveu medicina bioelétrica por si mesmo. Ele recebeu 14 grandes prêmios e honrarias e recebeu um doutorado honorário pela Universidade de Heidelberg por seu trabalho. Durante os 66 anos em que Rife se dedicou projetando e construindo instrumentos médicos, ele trabalhou para Zeiss Optics, o Governo dos EUA, e vários benfeitores particulares. O mais notável foi milionário Henry Timkin, de Timkin.

Devido ao fato de que Rife foi um autodidata em tantos campos diferentes, ele intuitivamente procurava suas respostas em áreas além da estrutura científica rígida de sua época. Ele tinha dominado tantas disciplinas diferentes que teve literalmente à sua disposição intelectual as habilidades e os conhecimentos de toda uma equipe de cientistas e técnicos de um número de diferentes campos científicos. Assim, sempre que uma nova tecnologia era necessária para realizar uma nova tarefa, Rife simplesmente a inventava e a construía ele mesmo. Invenções de Rife incluem um microscópio heteródino ultravioleta, um micro-dissecção, e um micro-manipulador.

Em 1920, Rife tinha terminado de construir o primeiro microscópio de vírus do mundo. Em 1933, ele aperfeiçoou a tecnologia e tinha construído um Microscópio Universal incrivelmente complexo, que tinha cerca de 6.000 partes diferentes e era capaz de ampliar objetos 60.000 vezes o seu tamanho normal. Com este incrível microscópio, Rife se tornou o primeiro ser humano a ver realmente um vírus vivo, e até muito recentemente, o Microscópio Universal foi o único que foi capaz de fazê-lo. Microscópios eletrônicos modernos instantaneamente matam tudo abaixo deles, vendo apenas os restos mumificados. O que o microscópio de Rife pode ver é a atividade movimentada de vírus vivos, como eles mudam de forma para acomodar mudanças no ambiente, replicam rapidamente em resposta a agentes cancerígenos, e transformam células normais em células tumorais.

Mas como foi Rife capaz de fazer isso, numa época em que a eletrônica e a medicina ainda estavam apenas evoluindo? Aqui estão alguns detalhes técnicos para aplacar os céticos. Rife conseguiu identificar a assinatura espectroscópica individual de cada micróbio, usando um acessório espectroscópio de fenda. Então, ele lentamente girou prismas de blocos de quartzo para focar a luz de um único comprimento de onda sobre o microorganismo que estava examinando.

Este comprimento de onda foi selecionado porque a frequência de ressonância com assinatura espectroscópica do micróbio baseado no fato agora estabelecido que cada molécula oscila a sua própria frequência distinta. Os átomos que se unem para formar uma molécula são mantidos juntos, com uma configuração molecular com uma ligação covalente de energia que emite e absorve a sua própria frequência específica eletromagnética. Não há dois tipos de molécula que tenham as mesmas oscilações eletromagnéticas ou assinatura energética. O resultado da utilização de um comprimento de onda de ressonância é que os microrganismos que não são visíveis com luz branca de repente se tornam visíveis num flash de luz brilhante quando são expostos à frequência de cor que ressoa com a sua assinatura de espectroscopia distinta.

Rife foi, portanto, capaz de ver estes organismos invisíveis de outra forma e assisti-los invadindo ativamente culturas de tecidos. A descoberta de Rife permitiu-lhe ver organismos que ninguém mais poderia ver com microscópios comuns. Tais descobertas fizeram de Rife um cientista visionário. Rife levou muitos anos até descobrir as freqüências que destruíam especificamente herpes, pólio, meningite espinhal, tétano, influenza e um número imenso de outros organismos causadores de doenças perigosas.

Em 1934, a Universidade da Califórnia do Sul formou um comitê especial de pesquisa médica para trazer pacientes de câncer terminal do Hospital de Pasadema County para o laboratório e clínica de Rife em, San Diego, para tratamento. A equipe incluía doutores e patologistas reconhecidos para examinar os pacientes - se ainda vivos - em 90 dias. Após os 90 dias de tratamento, o comitê concluiu que 86,5% dos pacientes tinham sido completamente curados. O tratamento foi então ajustado e os restantes 13,5% também reagiram nas 4 semanas seguintes.

O índice de recuperação total usando a tecnologia de Rife foi de 100%. Em 20 de novembro, 44 das mais respeitadas autoridades médicas do país honraram Rife com um banquete anunciando "o fim de todas as doenças" sob os cuidados do Dr. Milbank Johnson em Pasadema. Mas em 1939, quase todos estes distintos doutores e cientistas negaram o encontro.

A partir dai, Rife se viu envolvido numa seqüência de eventos que culminaram com sua decadência pessoal e profissional, porém seu trabalho ainda hoje é visto como inovador e merece ser estudado mais a fundo.