Blog

Longevidade e qualidade de vida

21/07/2017 11:48:51

Viver muitos anos é o desejo de todos, e cada vez mais pessoas atingem essa meta. Porém, observa-se que nem todos que alcançam a tão desejada longevidade tem qualidade de vida. Nessa matéria, saiba como ter longevidade, energia e disposição de forma natural.

“O encontro harmônico da natureza individual com as restrições sociais, é o elo lógico e funcional gerador do bem estar saudável com qualidade”. - Prof. Kunio Inamoto


A longevidade depende de fatores genéticos, mas o estilo de vida pode determinar o tempo que cada um vai viver. A probabilidade de uma pessoa viver 100 anos em quase toda a história da humanidade era de 1 em 20 milhões. Hoje, em países como Suécia e Japão, ela pode ser de 1 em 50.


O desejo de todo o ser humano é alcançar a vida longa, e essa tem sido uma busca constante de cada ser individualmente e da ciência. A vida de todos os organismos é restrita. Após uma fase de crescimento e desenvolvimento, reprodução e envelhecimento, todos os seres vivos morrem.


A tendência da expectativa de vida dos seres humanos (o número de anos que se espera que um recém-nascido viva), durante o último milênio tem sido caracterizada por um aumento lento, mas com crescimento gradual, interrompido por uma volatilidade no índice de mortalidade por epidemias e pandemias de doenças infecciosas, fome e guerras.


Essa volatilidade foi dramaticamente reduzida na metade do século XIX, na medida em que essas doenças infecciosas foram combatidas eficazmente e houve melhoria na condição de vida, como também das políticas públicas de saúde. No Brasil, a expectativa de vida em 1900 era de 33 anos. Atualmente, estamos em meio a um processo evolutivo caracterizado por uma progressiva queda de mortalidade em todas as faixas etárias.


Em 2004, segundo o IBGE -Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a expectativa média de vida da população brasileira ao nascer era de 71,7 anos. O Distrito Federal aparece em primeiro lugar no ranking, com 74,6 anos e Alagoas ocupa a última posição, com 65,5 anos.


 


Ao longo de 24 anos, a expectativa de vida do brasileiro cresceu anualmente cinco meses em média, o que levou o Brasil a ocupar o 82º lugar. O primeiro lugar entre os 192 países que integram o ranking da ONU é do Japão, onde a expectativa de vida é de 81,9 anos. O grupo de idosos com 60 anos ou mais, é do que mais cresce em nosso país.


De 1980 a 2000, o contingente entre 0-14 anos teve um aumento de 14% e o grupo de pessoas idosas cresceu 107%.


QUAIS OS SEGREDOS DA LONGEVIDADE COM QUALIDADE DE VIDA?


BOAS GORDURAS E BOAS FONTES DE CARBOIDRATOS

Mesmo níveis moderados de exercícios ajudam a prevenir doenças cardíacas e prolongam a expectativa de vida. Sabe-se também que o grau de benefícios aumenta à medida que os níveis de atividade física crescem. Quanto a dieta, existem evidências na literatura científica indicando que dietas que usam gordura não hidrogenada insaturada como forma predominante de gorduras, protegem o coração. Além disso, quem usa cereais integrais (aveia, trigo, milho) como a principal forma de carboidratos, abundância de frutas e verduras, e ingere uma adequada quantidade de ácido graxo ômega 3 recebe uma significativa proteção contra doenças cardíacas coronariana. Tais dietas, juntamente com atividade física regular, abstenção de fumo e controle de peso corporal podem prevenir a maioria das doenças cardiovasculares.


AZEITE DE OLIVA, O AMIGO DO CORAÇÃO

Níveis altos de consumo de azeite de oliva são considerados como o fator mais importante na dieta do Mediterrâneo tradicional. Durante séculos, o azeite de oliva tem sido um tesouro na Grécia e outros países do Mediterrâneo por suas propriedades nutricionais. Evidências têm se acumulado, sugerindo que o azeite de oliva pode ter um papel importante na prevenção da doença coronariana, devido ao seu alto nível de ácidos graxos monoinsaturados e componentes polifnólicos.


EVITE GORDURA “TRANS”

Estudos recentes têm demonstrado que uma forma de gordura chamada “trans” é considerada o pior tipo de gordura, e seu consumo resulta em diversos malefícios à saúde, sendo mais prejudicial do que a gordura insaturada que após sofrer o processo de hidrogenação adquire uma configuração “trans” (mudança da sua estruturação). A gordura vegetal hidrogenada, que é um tipo de gordura trans, está na lista de ingredientes de muitos produtos industrializados (biscoitos, pães, bolos, salgados).


OBESIDADE NÃO COMBINA COM LONGEVIDADE

A obesidade tem mostrado possuir efeito negativo substancial na longevidade, reduzindo a expectativa de vida das pessoas com obesidade severa estimadamente de 5 a 20 anos. O risco da diabetes nos indivíduos nascidos nos EUA, por exemplo, aumentou rapidamente de 30% para 40%, um fenômeno provavelmente atribuído à obesidade “epidêmica”. O diabetes no adulto, aumenta o risco de ataque cardíaco e diminui a expectativa de vida em 13 anos. Uma nova síndrome tem sido descrita desde 1988. Altamente prevalecente na sociedade ocidentalizada, tem sido considerada como fator de risco para doenças cardiovasculares. Trata-se da síndrome metabólica, caracterizada por obesidade abdominal, hipertrigliceridemia, níveis baixos de HDL, hipertensão e hiperglicemia de jejum. Ela está presente em 22% dos homens e 22,6% das mulheres americanas acima de 20 anos.


RISCO DE MORTE MAIOR ASSOCIADO À SÍNDROME METABÓLICA

Em termos de longevidade, os homens de meia-idade com síndrome metabólica revelam um risco de morte 2,26 vezes maior. Quando comparados com homens sadios observados durante 11 anos, é um risco aumentado em 24,5 vezes para o diabetes. Diversos estudos têm claramente demonstrado que a causa da síndrome metabólica é atribuída grandemente a fatores diabéticos e aos níveis de atividade física.

O desafio de todos é iniciar desde cedo uma atitude voltada à prevenção. Tomar cuidados diários que ao longo dos anos vão se somar e construir uma sólida fundação. Assim, você conseguirá associar qualidade de vida à longevidade, de forma plena. Comece hoje mesmo essas transformações!


Faça seu comentário:

País:

Atuação profissional: