Blog

Como um intestino saudável pode proteger você da intoxicação causada por metais tóxicos?

01/06/2020 15:26:20

O corpo humano está sujeito a inúmeras formas de intoxicação. Entre elas, aquela causada por metais tóxicos. Estas substâncias são variadas e agem de maneira distinta, afetando a produção de enzimas ou interferindo na permeabilidade das membranas celulares, entre outros processos de transporte. 

Nesse cenário, surge a importância da mucosa intestinal que, em seu funcionamento integral, cria uma barreira eficaz contra a entrada de diversos patógenos, metais e muitas outras toxinas. Sua efetividade pode ser afetada por uma série de fatores como: o uso constante de medicamentos, como antibióticos, anti-inflamatórios e corticoides, excesso ou falta de nutrientes no organismo, flora intestinal desequilibrada, entre outros. 

Como os metais fazem mal a saúde? 

Todos os metais apresentam certo grau de toxicidade para o corpo humano, dependendo da dosagem, via de exposição ou tempo de exposição. Para facilitar, podemos destacar dois tipos de metais, os pesados e os leves. O primeiro representa metais com maior densidade, pois seus átomos ficam mais próximos um dos outros. A densidade do metal pesado é 5 vezes maior que a da água e os de maior destaque, que comumente causam intoxicações, como Chumbo e Mercúrio. 

Já os metais leves, apresentam uma densidade menor, por serem 5 vezes menos densos. Mas isso não significa que tenham menor toxicidade. Podemos citar o Lítio e o Alumínio como representantes deste grupo. 

Os metais pesados, ao entrarem em contato com o organismo, acabam por atrair duas substâncias importantes para o funcionamento do corpo humano: proteínas e enzimas. Por vezes, eles podem se associar a elas, inibindo o transporte de nutrientes, se ligando a estruturas da parede celular etc.  

Por outro lado, existem metais que são importantes para o funcionamento do organismo, como o Zinco e o Cobre. O corpo necessita deles, mas em pequenas quantidades. Níveis elevados os fazem funcionar como metais tóxicos. 

A importância do microbioma intestinal na proteção a toxicidade aguda causada por arsênico 

O arsênico, por exemplo, é um metal bastante prevalente na natureza. Um estudo realizado pela Universidade Estadual de Montana, nos Estados Unidos, mostrou que os micróbios presentes no intestino humano desempenham um papel importante na proteção contra a toxicidade dessa substância. 

De acordo com a pesquisa, mais de 200 milhões de pessoas são expostas ao arsênico no mundo todo, devido a ingestão de água contaminada por este metal. A contaminação pode ocorrer não apenas por meio da ingestão direta da água, mas também no consumo de culturas plantadas em áreas afetadas pela contaminação hídrica deste metal, como o arroz. 

A ideia dos pesquisadores da Universidade Estadual de Montana foi determinar quanto os micróbios do intestino humano podem modular o arsênico antes dele ser absorvido pelo corpo. O estudo utilizou camundongos de laboratório para criar controles experimentais e controlar as variáveis. Os resultados mostraram que antibióticos diminuíam a população bacteriana benéfica, o que causava um maior acúmulo de arsênico no corpo. Esses efeitos sugerem que o microbioma é protetor. 

Como desintoxicar o organismo de forma natural?

Quando identificado o acúmulo do organismo por metais tóxicos, um dos métodos de tratamento é a quelação. Este é um processo químico, onde por meio de ligações covalentes, as moléculas se ligam aos metais, removendo-os dos tecidos e neutralizando sua ação tóxica.

Um quelante muito usado um emergências é o EDTA. Entretanto, o EDTA apresenta certa toxicidade, e dessa forma, o indivíduo absorve um elemento tóxico para se livrar de outro. 

Uma forma mais natural e branda de realizar a desintoxicação por metais tóxicos, sem a utilização de compostos moleculares, é por meio de técnicas que interagem com o biocampo. O composto frequencial, de acordo com o criador do método QuantumBIO, é capaz de interagir com o biocampo e passar instruções a ele. Assim, por exemplo, se um órgão está doente, é possível informar ao biocampo, por meio de um composto frequencial, sobre o padrão saudável desse órgão. O biocampo então assimila esta informação e favorece a manifestação de um órgão saudável no nível material.

A Linha MTox, contêm informação codificada através de um método exclusivo e são destinados à modulação da carga metálica, auxiliando na sua eliminação e favorecendo a recuperação da saúde. Conheça mais no site da QuantumBIO

Fontes: 

Science Daily

Superinteressante

BBC



Faça seu comentário:

País:

Atuação profissional: