Blog

Superalimentos: como consumir.

17/12/2018 11:48:39

Já falamos muito por aqui sobre a importância de uma alimentação saudável para manter o funcionamento correto do organismo. Ingerir diferentes alimentos para compor a quantidade necessária de nutrientes e vitaminas é a forma mais adequada de adquirir as substâncias necessárias para o nosso bem-estar. Existem, porém, alimentos que reúnem, sozinhos, muitas das propriedades que encontramos num prato repleto de variedades. São os chamados superalimentos.

 

Nesta categoria são incluídos alimentos que possuem benefícios superiores, pois são ricos em fibras, antioxidantes e fitoquímicos diversos, cuja função é nutrir o corpo, otimizar o metabolismo e ajudar a prevenir o surgimento precoce de doenças degenerativas.

 

Os superalimentos ganharam popularidade nos últimos anos, mas ao mesmo tempo, receberam críticas da comunidade científica. Certamente, é comum vermos na internet supostas propriedades miraculosas atribuídas a este ou aquele produto. Quem embarca nestas ideias espetaculares parece estar tentando compensar uma alimentação ruim e maus hábitos ingerindo um tipo particular de alimentos como se fosse a salvação. Não caia neste conto.

 

Uma vida saudável inclui uma variedade de alimentos em seu estado natural e preparados de maneira adequada, para que suas propriedades benéficas não sejam destruídas. Além disso, nosso corpo funciona melhor quando evitamos alimentos processados e ultraprocessados, que na verdade, nem deveríamos chamar de alimentos, mas de “produtos alimentícios”, ricos em sal, açúcar, corantes, conservantes e gorduras oxidadas.

 

Mesmo com um possível entendimento errado da função dos superalimentos, na maior feira de orgânicos do mundo, a Biofach, o consenso foi de que este tipo de alimento veio para ficar. Por isso, quando buscamos uma alimentação saudável, devemos nos afastar dos hábitos ruins, mas incluir superalimentos é uma atitude inteligente. Se consumido de forma natural, sem adição de compostos industriais e fazendo parte de uma alimentação integral, os superalimentos são nossos aliados na busca de uma vida mais saudável. 

 

Conheça alguns grupos de comidas que se encaixam neste conceito :

 

Sementes oleaginosas: ricas em gorduras boas, classificadas como ômega-3, que auxiliam na prevenção de doenças cardiovasculares. Contêm ampla variedade de minerais, vitamina E e ácido oleico (o mesmo do azeite de oliva). Nesta categoria estão as castanhas, nozes, pistaches, avelãs... só não abuse nas quantidades.

 

Azeite de oliva extravirgem: amigo do coração, dá vida e sabor aos pratos. Use em refogados rápidos, no tempero de saladas ou na finalização de pratos prontos.

 

Grãos e sementes: A semente de abóbora protege a próstata e tem propriedades antiparasitárias. A chia é rica em ômega-3, assim como a semente da linhaça. Pouco conhecida, a quinoa possui todos os aminoácidos essenciais para fabricarmos as proteínas necessárias para nosso funcionamento corporal. Os feijões são fonte de ferro e antioxidantes e faz parte da alimentação dos brasileiros há mais de meio século, principalmente se for deixado de molho (como nossas avós faziam), antes do preparo.  A aveia possui propriedades estimuladoras do sistema imunológico.

 

Especiarias: o gengibre é termogênico (queima calorias) e ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares, além de ser um potente anti-inflamatório natural. O alho e a cebola são ricos em vitaminas e minerais, possuindo ainda propriedades antissépticas e antibacterianas. Já a canela, o açafrão, e o curry são comuns na culinária oriental e repletos de benefícios. A hortelã possui propriedades benéficas ao sistema digestivo, além de ser antibacteriana. A pimenta (capsaicina) tem efeito protetor gástrico, termogênico e analgésico

 

Frutas: podemos incluir a maçã, por ser rica em fibras (pectina), vitamina C e flavonoides (quercitina). A uva é rica em polifenóis (antioxidantes) protetores do sistema cardiovascular. O abacate, antes condenado, possui altos teores do protetor cardíaco ácido oleico, baixas quantidades de açúcar e muitas fibras. As berries (açaí, amora, morango, mirtilo, framboesa) são ricos em antioxidantes específicos (que dão sua cor vermelho e violeta), além de baixos teores de açúcar. A acerola é rica em vitamina C. A semente do cacau, torrada e partida gera os benéficos nibs de cacau, ricos em antioxidantes e que são o ponto de partida para a fabricação do chocolate.

 

Hortaliças, legumes e verduras: a batata doce e a bata yacon possuem baixo índice glicêmico e fibras que alimentam um grupo de bactérias adequadas em nossos intestinos. A ora-pro-nobis é uma folha rica em proteínas, vitamina A, B e C, fibras, ferro e fosforo. Os vegetais crucíferos (couve, brócolis, couve de Bruxelas) possuem compostos com reconhecida propriedade anticancerígena, além de alto poder desintoxicante. A banana verde (como biomassa ou fruta in natura) é fonte de amido resistente, que auxilia na restauração da microbiota (flora) intestinal, além de não elevar o açúcar sanguíneo. Existem mais de 4 mil espécies comestíveis de cogumelos, todos eles ricos em proteínas, vitaminas e fibras, além de uma reconhecida ação estimulante do sistema imunológico. couve.

 

Água: pode parecer estranho, mas á água é um dos mais poderosos dos superalimentos, principalmente se for uma água pura, pouco mineralizada e de fontes naturais que não estejam contaminadas. Em breve falaremos mais sobre ela. Por enquanto, lembrem-se de que os principais problemas de saúde relacionados à água são pela pouca ingestão dela. Aproveite que esta leitura está terminando e tome um bom gole de água agora mesmo!

 

SUPERALIMENTOS E O EQUILÍBRIO

 

Existe um tipo de superalimento que não incluímos na alimentação, mas podemos ingerir como suplemento. A espirulina, por exemplo, é produzida a partir de um organismo unicelular que utiliza calor, luz, água e minerais para sintetizar proteínas, carboidratos, vitaminas e outros nutrientes. Essa bactéria comestível é um dos alimentos mais concentrados que existem em nosso planeta, sendo uma fonte excelente de todos 8 aminoácidos essenciais, betacarotenos, minerais (dentre eles o ferro), ácido gama-linolênico, entre outros. Além disso, ainda tem baixo teor de gordura e sódio, é resistente à contaminação por metais pesados, como o chumbo, desde que cultivada adequadamente, e é de fácil digestão.

 

Conheça mais sobre a espirulina e superalimentos no site da QuantumBIO


Faça seu comentário:

País:

Atuação profissional: