Blog

Sistemas Renal e Hepático.

21/07/2017 16:20:37

A integridade existencial do ser humano com saúde depende basicamente da eficiência e do bom desempenho dos sistemas renal e hepático. Justifica-se esta dualidade pelo fato de serem responsáveis pela qualidade do sangue e do fiel processamento bioquímico dos sistemas vitais. Não há como ter saúde se os rins não fazem a limpeza adequada das impurezas do sangue e se o fígado não processa a maioria das reações metabólicas, primordiais à subsistência do organismo.


CARACTERÍSTICAS E DISTÚRBIOS DO PROCESSO RENAL


Os rins são dois órgãos existentes na parte posterior do abdômen e tem como finalidade filtrar as impurezas do sangue. A disfunção renal provoca o acúmulo de ureia e outros metabólitos no organismo e é fonte geradora de uma série de outras disfunções, inclusive da insuficiência renal aguda e crônica.


Principais sintomas das doenças renais:


  • Pressão alta (pressão arterial acima de 140/90 mmHg).
  • Sangue e/ou presença de proteínas na urina.
  • Urina com excesso de espuma.
  • Urinar com maior frequência, principalmente à noite.
  • Dor, queimação e dificuldade para urinar.
  • Inchaço, principalmente ao redor dos olhos, mãos e pernas/pés.
  • Fraqueza constante.
  • Cólica renal.
  • Dor lombar que não piora com movimentos.
  • No exame laboratorial, o valor de creatinina no sangue acima de 1,2mg/dl para mulheres e de 1,4mg/dl para homens, pode ser indicativo de insuficiência renal. A dosagem de creatinina serve para verificar o desempenho renal e é dependente da raça, da idade e da estrutura física de cada pessoa.

Distúrbios que podem atingir os rins:


  • Nefrite: presença de proteína (albumina) e sangue na urina, levando a inchaço e pressão alta.
  • Pielonefrite: causada pela infecção bacteriana do rim.
  • Glomerulonefrite: causada pela inflamação dos glomérulos (grupos de vasos sanguíneos do rim).
  • Nefrolitíase: formação de cálculos renais.
  • Diabete mellitus: causada pela elevação da glicose (açúcar) no sangue acima do normal.
  • Rins policísticos: presença de cistos renais devido a herança genética.
  • Desequilíbrio entre Magnésio (Mg) e Cálcio (Ca), geralmente causado pela presença de metais tóxicos e também, por alguns parasitas indesejáveis que são consumidores de Zinco (Zn) e Magnésio (Mg).


Medidas para evitar danos renais:


  • Consumir pelo menos 6 a 8 copos de água diariamente, sempre fora das refeições.
  • Evitar o consumo excessivo de sal e evitar alimentos e bebidas que contenham altas quantidades do elemento Sódio (Na).
  • Pelo menos a cada 3 anos, realizar a desintoxicação de metais tóxicos, tais como Alumínio, Chumbo, Mercúrio, Cádmio, Arsênico, Níquel, etc., que levam ao desequilíbrio dos fatores Zinco (Zn), Cromo (Cr) e Cobre (Cu), ocasionando em deficiências pancreática e renal pela elevação da densidade sanguínea.
  • Pelo menos a cada 2 anos, realizar a desativação de parasitas indesejáveis, que causam desequilíbrios nutricionais e são geradores de toxinas no organismo.
  • Alimentar-se de forma balanceada, consumindo pelo menos 70% dos alimentos na forma crua, e evitando alimentos processados e industrializados.
  • Praticar exercícios físicos regularmente, evitando o sedentarismo e o estresse.


CARACTERÍSTICAS E DISTÚRBIOS DO PROCESSO HEPÁTICO


O fígado é a maior glândula do corpo humano, e localiza-se no lado direito superior do abdômen e sob o diafragma. Seu peso aproximado é de 1,5 kg no homem adulto e de 1,2kg na mulher. Nas crianças é proporcionalmente maior, pois constitui 1/20 do peso total de um recém-nascido. O fígado, por ser o órgão em que ocorre a maior parte das reações metabólicas, qualquer que seja a sua disfunção, geralmente afeta quase todas as funções dos demais sistemas do organismo.


Funções básicas do fígado:


  • Emulsificação de gorduras no processo digestivo, pela secreção da bile.
  • Armazenamento e liberação da glicose.
  • Destruição das hemácias.
  • Síntese de proteínas importantes do plasma sanguíneo.
  • Desintoxicar o organismo pela neutralização e eliminação de drogas e toxinas.
  • Produção de precursores das plaquetas.
  • Sintetizar o colesterol.
  • Conversão da amônia em ureia.

Distúrbios de ordem hepática:


  • A maior parte das doenças do fígado é acompanhada de Icterícia, ou seja, o doente fica com a pele em tom amarelado.
  • Uma doença frequente é a Hepatite, uma inflamação hepática que tem origem viral. Pode ser classificada em tipo A, B, C, D, e E. É caracterizada por dores abdominais, febre, icterícia e dilatação do fígado.

- Hepatite A: É transmitida pelo enterovírus, que geralmente tem origem na alimentação. Já existe vacina para hepatite A.

- Hepatite B: O vírus da hepatite B (VHB) é 100 vezes mais infeccioso que o HIV. As taxas de cura são baixas levando ao desenvolvimento de hepatite crônica, que em longo prazo acarreta em cirrose, falência hepática e câncer no fígado. Os meios de contaminação são: transfusão sanguínea, tatuagens, contato sexual, ou pela via placento-fetal. Já existe vacina para a hepatite B.

- Hepatite C: Ainda é desconhecida em muitos aspectos. Os meios de transmissão são os mesmos da hepatite B, porém sabe-se que é bem menos infecciosa pela via sexual, sendo a via endovenosa a principal responsável pelo contágio. Pode ser assintomática por até 20 anos. Também pode levar a hepatite crônica, porém, as taxas de cura chegam 80%. Não há vacina disponível.

  • Esteatose Hepática: acúmulo de gordura nas células do fígado, também chamada de Doença gordurosa do fígado. Pode ter como causa o consumo abusivo de álcool, obesidade ou sobrepeso, drogas e medicamentos e colesterol alto.
  • Hemocromatose: É uma doença hereditária caracterizada por uma absorção exagerada de Ferro da alimentação. O mecanismo regulador da absorção fica alterado e o intestino segue absorvendo o Ferro, independente do nível do mineral nos depósitos intestinais, gerando a sobrecarga. O ferro é armazenado como Ferritina. Esta por sua vez se transforma em Hemosiderina que é extremamente tóxica aos tecidos. Como consequência pode levar a Cirrose, resistência a insulina (característica de Diabete Mellitus), além da disfunção erétil. Os metais tóxicos são coadjuvantes no desenvolvimento da Hemacromatose.
  • Cirrose: É o resultado de danos crônicos aos hepatócitos. A destruição dos hepatócitos leva a formação de fibroses (cicatrizes) que alteram a estrutura do fígado, provocando a redução do fluxo sanguíneo, gerando a hipertrofia do baço e a formação de nódulos. A causa principal de cirrose atualmente é por conta das hepatites e esteatoses hepáticas.
  • Câncer de fígado: É caracterizado como um descontrole na divisão celular do hepatócitos, em consequência da ação de toxinas. Todas as pessoas afetadas com câncer de fígado são portadoras de alto índice de metais tóxicos e de outros fatores da poluição alimentar e ambientais

PREVENÇÃO: 


  • Cuidar da alimentação verificando a qualidade e a origem dos mesmos. Evitar alimentos processados e industrializados.
  • Consumir alimentos de forma balanceada, evitando o excesso de gorduras e principalmente frituras.
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas e também do fumo.
  • Evitar o consumo de medicamentos de forma desnecessária.
  • Manter o processo renal em boas condições.
  • Evitar gorduras trans e gorduras saturadas.
  • Realizar descontaminação e neutralização de Metais Tóxicos e de Parasitas indesejáveis, pois a maioria dos problemas hepáticos é de fundo parasitário. Por exemplo: Vírus da Hepatite, Faccíola Hepática, etc.
  • Manter o bom funcionamento dos rins, com boa ingesta de água e baixo consumo de sal e sódio.


OBSERVAÇÃO


As informações contidas nesta matéria tem apenas objetivo cultural. Portanto, não dispensa e nem invalida nenhum tratamento convencional que o leitor esteja realizando, desde que seja de um profissional de saúde habilitado. Caso tenha algum dos sintomas citados, procure um médico de sua confiança, evitando assim maiores problemas no futuro.


Faça seu comentário:

País:

Atuação profissional: